01dd1913ae
A Sião Petróleo em parceria com o Ifes, vai desenvolver superbactéria
15/08/2016
prodfor
Prodfor entrega 72 certificados às empresas com padrão de excelência
15/09/2016

Empresa capixaba planeja construir polo fabril na China

marcos_pegoretti

Pelo menos seis empresas norueguesas do setor do petróleo estão interessadas em investir em dois equipamentos concebidos e produzidos na Grande Vitória. A Sião Petróleo, empresa capixaba de tecnologia de petróleo, participará na próxima semana da Offshore Nothern Seas (ONS), principal feira do setor, onde deverá fechar um contrato de interesse (teaser) com os noruegueses para levar a operação da empresa para nível internacional.

Se confirmado o negócio, a Sião Petróleo estima lucrar até 400 milhões de dólares, algo em torno de R$ 1,2 bilhões. A empresa foi fundada há 21 anos na Serra e desde 2001 produz mecanismos para a operação de extração de petróleo da Petrobras.

Dois destes produtos encantaram os noruegueses, que são referência mundial em exploração do petróleo no mar. Um deles é o Slotted Liner, que permite o controle de areia presente nos tubos que extraem o líquido até a superfície, reduzindo em 25% os custos para manutenção da estrutura.

O outro é o Stis, um sistema de injeção de vapor que aquece o fundo dos poços, onde o óleo é mais pesado, aumentando a fluidez do líquido.

Segundo o presidente da Sião Petróleo, Marcos Pegoretti, o interesse surgiu a partir da compra de uma concessão da Petrobras pela petrolífera norueguesa Statoil, que pagou US$ 2,5 bilhões à estatal brasileira. A partir disso, a Statoil quer investir mais US$ 19 bilhões no país até 2020, não só com a compra de concessões de exploração nos campos brasileiros, como na tecnologia utilizada no país. Assim, a capixaba Sião Petróleo acabou entrando no radar da gigante norueguesa.

“Eles têm hoje o maior fundo de ativos do mundo, que é o Fundo Soberano Norueguês, que tem US$ 229 bilhões prontos para investir. Como já prestávamos serviço para a Petrobras, eles acabaram se interessando pelo nosso equipamento. É uma oportunidade muito grande, estávamos em cima do trilho na hora que o trem ia passar”, conta o presidente da Sião Petróleo.

Marcos Pegoretti explica que nesta fase da negociação, os noruegueses emitem um teaser, que é um documento que demonstra o interesse em investir. A partir disso, eles deverão visitar o Estado para conhecer a Sião Petróleo e fechar o negócio. A intenção é que eles se tornem sócios e ampliem a fabricação dos equipamentos para a China ou para a Noruega. Também está previsto a abertura de escritórios na China, Malásia, Oriente Médio, Canadá e Estados Unidos.

“Nossos produtos já estão consagrados em 400 poços pelo país. Queremos impulsionar a Sião Petróleo Internacional para abrir um novo polo fabril e levar estes produtos para o mundo todo. Isso já era algo que estávamos planejando e agora veio a oportunidade. Se tudo der certo, acho que o acordo será firmado nos próximos três meses”, projeta.